Os perigos da engenharia social e como se proteger

O que é Engenharia Social?

A Engenharia Social é um conjunto de técnicas para persuadir uma vítima. Através dela, é possível obter dados, benefícios ou acesso a locais restritos para diferentes finalidades. É também, o ato de aproveitar a confiança humana para obter informações privadas. 

Autoconfiança, facilidade de comunicação, aptidão profissional e grande capacidade de persuasão são características de um engenheiro social. Muitas vítimas de ataques afirmam que mal sabem que passaram informações que não deveriam devido ao talento da pessoa com quem conversou.

Sua empresa pode estar sofrendo um ataque de Engenharia Social neste momento. Será que seus funcionários estão protegidos contra ela? Neste artigo, reunimos todas as informações relevantes sobre Engenharia Social. Leia o conteúdo e saiba como essa técnica afeta usuários e empresas.

Como funciona a Engenharia Social:

Hackers especializados em engenharia social são profissionais na manipulação de sentimentos humanos, como curiosidade e medo, para realizar ataques cibernéticos. Esses hackers usam a manipulação psicológica para enganar e induzir a vítima a cometer erros de segurança ou revelar suas informações pessoais e confidenciais. 

A Engenharia Social é baseada no seguinte ciclo:

Tipos de ataques de Engenharia Social:

Existem seis tipos principais de ataques de engenharia social dos quais você deve estar ciente. Veja detalhes sobre cada um deles e saiba como evitá-los:

Baiting: É quando um hacker usa uma promessa falsa para despertar o interesse, a ganância ou a curiosidade de uma vítima. Eles atraem e prendem suas vítimas e roubam sem esforço suas informações pessoais ou as expõem a malwares.  

Quid pro quo: Ataques de engenharia social na forma de troca envolvem uma troca de informações ou serviços, e os hackers sempre fazem parecer justo. Digamos que você esteja tendo um problema com seu computador e precise de suporte técnico. Você entregará as informações de login ao seu computador, pensando que está prestes a receber ajuda, mas, em vez disso, o fraudador assumirá o controle total do computador, carregará com malware e outros vírus e até mesmo roubará suas informações pessoais para se comprometer. roubo de identidade. 

Phishing: É quando um hacker obtém informações usando comunicações fraudulentas voltadas diretamente para um indivíduo. Isso geralmente é feito por meio de e-mails que são disfarçados como uma fonte legítima, criam um senso de urgência e incluem um link para um site mal-intencionado. Um exemplo de phishing é se você recebe um e-mail com a aparência do seu banco, exigindo uma alteração de senha com um link para isso. Esse link o envia a um site mal-intencionado que corta seus dados pessoais e preenche seu dispositivo com vírus. 

Vishing: É a versão de voz do phishing. Em vez de usar e-mail ou mensagens de texto, o golpista usa o telefone para enganar a vítima e entregar informações pessoais. 

Scareware: É quando uma vítima recebe várias vezes alarmes falsos ou ameaças enganosas, que são feitas para parecer que o sistema de um usuário está infectado por malware. Isso fará com que a vítima instale um software que resolva o problema, mas geralmente é um malware. Isso também é conhecido como software de fraude, software de varredura desonesto ou fraude. Pense em scareware como aqueles banners pop-up que aparecem quando você está usando a Internet, informando que seu computador pode estar infectado por programas prejudiciais e deve instalar uma ferramenta para limpar seu computador. 

Pretextando: Essa forma de engenharia social é quando um hacker consegue obter informações por meio de uma série de mentiras bem elaboradas que captam a atenção de alguém. Digamos que você tenha recebido um e-mail dizendo que é beneficiário de um testamento e precisa fornecer algumas informações pessoais antes de receber sua herança. Ao fazer isso, você corre o risco de conceder ao hacker acesso à sua conta bancária e é apenas uma questão de tempo antes de retirar fundos da sua conta. 

Prevenindo ataques de Engenharia Social:

O primeiro passo que você deve fazer para proteger seus dados de serem hackeados é investir em software antivírus. Essas ferramentas impedirão e detectarão a presença de software malicioso antes que os hackers possam fazer algo prejudicial ao seu dispositivo.  

Se você não sabe qual programa é ideal para você, fale com nossos especialistas para tirar suas dúvidas. 

A proteção contra a engenharia social pode ser aplicada também com o treinamento. Os usuários devem ser orientados a nunca clicar em links suspeitos e a sempre proteger suas credenciais de login, seja em casa ou no trabalho. Se as táticas sociais derem certo, no entanto, o resultado provável será uma infecção por malware. Para combater rootkits, cavalos de Troia e outros bots, é importante empregar uma solução de segurança de internet de alta qualidade, capaz de eliminar infecções e rastrear sua origem. 

Existem outras coisas que você pode fazer para estar alerta. Por exemplo, não abra e-mails e anexos de uma fonte suspeita. Use a autenticação multifator para garantir a proteção de cada conta na qual você fizer login, seja sua conta bancária ou redes sociais.

Veja no vídeo a seguir como a Engenharia Social é aplicada. Ative a legenda! 🙂

Empresas que agem preventivamente a esse tipo de ataque tornam-se menos vulneráveis a ela, e isso é uma ótima condição para qualquer corporação.

Ainda restam dúvidas? Converse com um de nossos especialistas e descubra como começar a se proteger ainda hoje.